sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

20 anos atrás... - Moschino de Moschino EDT - Resenha

Pega o batom vermelho e seu estojo de maquiagem. Agora uma generosa dose de mousse, e arma um topete no cabelón. Dá um play na sua BASF com o último sucesso da Madonna, que em seu sonho na Isla Bonita fez todo mundo dançar. Muito lamê, babados e ombreiras, brincos de argola e pedrarias. Estamos em 1987.
A moda é uma hipérbole, em seu excesso de informações e referências que saltam aos olhos e confundem os sentidos. Franco Moschino e suas criações coloridas e irreverentes se consolida como ícone fashion neste contexto over - e sua primeira criação na perfumaria fala este idioma. 
 
 É disso que estou falando!

Moschino de Moschino EDT - sim, é EDT! - tem uma potência típica das fragrâncias oitentistas, em seu bling-bling dourado, rastro poderoso e dezenas de acordes pungentes bem combinados. Um clássico cravo apimentado, que aos poucos vai acalmando para revelar rosas amaciadas pelo tom atalcado e elegante, com os calores do sândalo que para muitos remete ao Obsession de Calvin Klein. Realmente tem o fundo amadeirado e denso, a mesma sensação de envolvimento e densidade do Obsession, porém com algumas nuances e flashes mais florais e adocicados. Assim, fica mais explosivo e polvoroso, menos soturno, mantendo uma aura sexy e atrevida de quem não quer passar despercebida(o). 
 

Comprei em um blind, e não me arrependo. Apesar de forte e talcado (amo!) já ganhou ares atemporais, e como é uma criação bem feita e bem executada, terá sempre lugar cativo na prateleira, para aquelas ocasiões que uma bomba é bem vinda, e que não se está no espírito dos aldeídicos. 
Não precisa nem mencionar fixação e projeção, ambas potentes. Deixa rastro, fica na roupa e na memória.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Sunny days - Roberto Cavalli Acqa EDT - Resenha

Como é início do ano, e geral tá postando em suas redes sociais aquele mooooonte de fotos felizes, em praias paradisíacas, entre vestidos brancos, taças de espumante e pernas para o mar, vamos falar desse lindinho que passa férias em Trancoso ou Jeri, sem abrir mão da bolsa grifada, do dourado e do glamour. 
Acqua de Roberto Cavalli pode ser considerado uma versão mais leve, aquática e vaporosa, que adiciona frescor ao dulçor floral de jasmins e flor de laranjeira do Roberto Cavalli EDP (aquele do frasco dourado, sabe qual?). Fica mais descontraído, fresh, retirando a pimenta - para muitos, incômoda - e a baunilha de fundo, que cede seu espaço para os acordes almiscarados. É chique e menos aparecido, não é para o público 'piscinão' - tanto pelo preço quanto apelo.


Imagem: robertocavalli.com

Um cítrico frutal de maracujá fresco e limão marca uma entrada fizz, que logo casa ao floral, dando ares tropicais e festivos, evoluindo para as melífluas flores de laranjeira e pétalas brancas. Logicamente, a efemeridade cítrica-floral-aquática retira um pouco da duração, não espere aquele efeito prolongado, que gruda até os ossos - até porque ficar até o fim da festa é o erro. Aproveite-o enquanto o drink ainda está gelado, a brisa está gostosa e o papo está animado!
Santé!

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Sutil elegância - V Pour Elle EDP de Vivara - Resenha

Uma boa criação. A joalheria Vivara conseguiu marcar presença e ampliar mercado com a linha de joias de prata Life, voltada a um público jovem e àquelas pessoas que sonham com uma peça da marca, sem, contudo, desembolsar valores acima de quatro dígitos. O branding esperto em shopping centers também funciona, sem tirar o prestígio e o glamour de joalheria e seus objetos de desejo. A fragrância feminina V Pour Elle, em versão Eau de Parfum, traduz bem este espírito da marca, com delicadeza e elegância.
Classificado como "floriental", tem os mesmos lírios do Allure Sensuelle EDT da Chanel, flores cálidas e melífluas, algo morno, com vapores ambarinos e frutal adamascado. O fundo de madeiras resinosas garante distinção, formando um acorde adulto e elegante, que repousa bem na pele.
O valor, para o mercado nacional (R$ 210,00), empata com Elysée d'O Boticário e demais promessas de EDP, que encaram os pesados quarenta e tantos por cento de tributação. Ou seja, é belo, é elegante, mas, quem tem acesso a importados grifados, talvez prefira outras opções.

Imagem: vivara.com.br
 
E, uma observação: o frasco poderia ser mais caprichado. A tampinha, em um plástico cheio de rebarbas e arranhões (ao menos no meu estava) tira pontos, em algo que deveria transmitir o luxo e a distinção da marca Vivara. Merece uma atenção maior.
Mas ainda assim, vale o teste. Nas lojas físicas, as vendedoras sempre simpáticas e bem treinadas costumam apresentá-lo com entusiasmo. A pausa no passeio certamente será válida.