Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2015

Entrevista para Ego in Vitro - Um papo com o expert Daniel Barros

Imagem
Desde já agradecendo o convite e o espaço cedido pelo Daniel Barros, autor do blog-referência Ego In Vitro, segue o link para a entrevista que fizemos sobre o Parfumée, em que pude contar um pouquinho da história do blog e trocar algumas ideias sobre esse universo perfumado. Como foi publicada no dia 09/11/2015, uma data em que estava absolutamente "head over heels", acabou que não repliquei aqui, do que desde já me desculpo... Mas, agora que as coisas estão, aos poucos, voltando à normalidade, segue o link: http://egoinvitro.com.br/blogueiros/

Ali tem conversas deliciosas com outros bloggers, resenhas e reflexões. Além do mais, o Daniel é autor de dois livros perfeitos para quem quer se dedicar ao estudo dessa arte que beira o vício. Merci, Daniel!!!

Imagens: egoinvitro.com

Mesa Redonda de Novembro - Perfumes Paradisíacos

Imagem
O paraíso é aqui, e pode ser uma floresta europeia, uma praia caribenha, um banho quente de vapores perfumados... Basta conectar a mente a tudo aquilo que agrada e acalma. Me remete a paraíso a possibilidade de desacelerar, de jogar longe nossas prisões voluntárias, como um celular despejando mil notificações ao minuto, uma agenda com mais compromissos do que horas disponíveis ou uma pilha de papeladas enfadonhas. O paraíso pode ser engarrafado em lindos vidros de 30, 50 ou 100ml, e serve como aproximação das férias que nunca chegam e do descanso eternamente a repor. O paraíso pode ser a dobra de um pescoço perfumado...
Allure Eau de Parfum - Chanel Clap-Clap. Criado, massageie meus pés. Clap-Clap. Abane mais forte. Clap-Clap. Mais vinho. Tá olhando o quê? O paraíso é meu, e eu faço o que eu quiser. O que pode ser: nada! Allure EDP é tão goldie, tão fascinante - baunilha, tangerina e pêssego. Já disse o quanto eu sou fã de pêssego? Em um tapete de jasmins então... Vale o quanto pesa (po…

Comer, rezar, amar - Samsara Eau de Toilette de Guerlain - Resenha

Imagem
Comer: um dos sentidos mais caros ao ser humano, o paladar. O sabor de pêssegos maduros, ameixas em calda, de casca de laranja glaçada que adoça o chá com canela, da baunilha que perfuma o crème brûlée queimadinho. Doce, amargo e picante. Um exagero aos sentidos, o langor transparente de calda maraschino que lembra licor. É um doce para maiores, quando o paladar já está adulto e aprende a apreciar o acre dos cítricos, as frutas secas e compotas temperadas. Samsara tem sabor de requinte, como sagrada oferenda.
Rezar: O sagrado. Como representar o sagrado, tão íntimo e individual a cada um? A representação do templo, da prece coletiva, que sobe aos céus pelo perfume da fumaça de incenso, das nobres resinas do defumador, do calor das mãos que se unem? Das flores coloridas ao pé do altar, reverenciando o criador com suas mais belas criações? Na meditação solitária e contemplativa de um pôr do sol avermelhado? O sagrado está em toda a parte, e pode estar no rastro de um perfume que não te…