domingo, 28 de junho de 2015

I really need you tonight - Tabu de Dana - Resenha

Minha história começa em uma farmácia de rodoviária, porque pra ser bem cafona a coisa tem que começar assim, com uma ironia triste de despedida e um quê inusitado. Não consegui achar voo a tempo, e lá fui encarar um ônibus - porque um compromisso importantíssimo não poderia esperar. Estava super contrariada, muito mesmo.
Precisava passar o tempo, e rodoviárias são locais não muito agradáveis, são mais para hostis por assim dizer, e lembrei que para não sofrer com as náuseas e garantir que a viagem logo passaria, comprei um antiemético do tipo "mata leão". Fui na farmácia, e eis que na pequena vitrine ao lado vejo a maior vedete das penteadeiras modestas desse Brasilzão, em uma caixinha judiada ao lado de uma brilhantina (sim, brilhantina!) e de um talco Alma de Flores, uma resplandescente deocolônia Tabu. Sua caixa é quase um engodo, inocentes flores róseas. O frasco tem até um certo charme. Guardei com todo cuidado do mundo, porque se aquela bomba derramasse dentro da bolsa, teria que jogar fora a bolsa e provavelmente continuar minha viagem dependendo de carona na beira da estrada. Muito possivelmente.
Chegando ao destino fui provar, com toda cautela que Tabu - ainda que na diluidíssima versão deocolônia - exige. Às gotas, com a ponta dos dedos, umedeci o pulso. E esperei.
Como esperavam-se os telefonemas antes da era WhatsApp, Tabu evolui, vai da pura expectativa ao total desespero, das flores murchando ao lado da porta, do jantar temperado esfriando na mesa, e do cinzeiro amontoado de restos de cigarros amassados sobre cinzas ainda fumegantes - e do amor que não vem. 
Sinto um cítrico pungente de início, com narcisos, que o tornam agressivo: pancada mesmo! Ylang-ylang animálico e devorador (imagino como deveria ser a versão EDP vintage, que além desse ylang-ylang ainda tinha civeta natural - escandaloso e selvagem ao extremo), no coração um ar enfumaçado que beira o sufocante, fumaça de tabaco com algo incensado - talvez o benjoim potencialize isso tudo. As notas de fundo são um tanto conflitivas, não dá para saber o que é o quê, algo amadeirado com toques de mel. 
Tabu tem o nome mais exato que se poderia imaginar - tanto para a época quando foi lançado quanto agora. A proposta inicial, no começo de um século XX que fica cada vez mais longe, era para ser um perfume erótico, "aroma de alcova" como já mencionei aqui. Ganhou aquela fama que se espalhou à boca pequena: "é perfume de rendez-vous" - tanto que atualmente custa R$ 10,00 em farmácias de rodoviária. E isso que tirou seu encanto. É possível encontrar o Tabu e toda sua fórmula animálica no ponto de ônibus, no baile da terceira idade, na fila da padaria. (A Coty teve que rebolar para contornar algo semelhante que esteve próximo de acontecer e arruinar toda uma marca! Olha aí o mote da exclusividade tão vital à perfumaria)

Imagem: http://www.tabucosmeticos.com.br/nav/produtos/produtos_detalhes.asp?UID=29

Mas Tabu de maneira alguma pode ser considerado um perfume ruim. Para quem gosta do assunto, é uma ótima fonte de estudo, porque tem uma combinação de notas muito complexa. Talvez ele desperte memórias olfativas pavorosas em alguns - sabe aquele parente que não economizava na dose desta bomba? - mas não se pode tirar seu mérito e sua construção. Posso até apostar que se uma marca de nicho lançasse a mesmíssima fórmula em um frasco hypado e com o marketing certo, olha... sei não, viu?
Seu preço e popularidade tiraram seu prestígio, mas nada tira seu impacto. 
Perfume para chorar ouvindo Bonnie Tyler, fazendo pose no espelho - assumidamente cafona, dramático e passional. Uma catarse!


16 comentários:

  1. Que delícia ler sua experiência com o Tabu! Ele é um ícone, um precioso vendido a módica quantia! Dramático, cheio de segredos. Tão popular e tão 'para poucos', né? Dia desses vou fazer amostra do meu vintage (anos 50) pra vcs!
    Bjos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou louca para provar uma versão vintage do Tabu, Diana! Imagino como deve ser essa maravilha toda no orgânico, natural... Agora está suuuuuper diluído, precisou da adequação ao preço, perdeu muito da estrutura original - e continua bombástico! Conta como é o Tabu "Old School", que quero muito saber!
      Beijos

      Excluir
  2. Vou resenhar em breve! E em breve tbém farei uma amostra dele pra vc! tenho a Eau de Cologne dos anos 50, comprei no Ebay lacrado, um frascão de 200ml e potencia avassaladora! Um primor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 200ml!!! wow
      Resenha essa joinha, please Diana! Eu tento imaginar a composição do Tabu com materiais mais orgânicos, principalmente as resinas ao natural. Forte e potenteee

      Excluir
    2. gente ! 200mL? anos 50?
      meeeo Deus ._.

      que medo kkkk

      Excluir
  3. hahaha! dei umas gargalhadas aqui! doido pra fazer essa expedição de farmácia pra conseguir o meu. to contigo quando fala que se uma marca de nicho lançasse... a coisa certa, na mão certa, com a comunicação certa... bam!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Passa na 25 de março que em algum cafofinho você acha, Dênis! A nota de tabaco do Tabu é intensa ao estilo Habanita da Molinard, que as marcas de nicho simplesmente adoram... Para estudo acho excelente, mas não tem como não lembrar de frequentadores do "Baile da Saudade" ao sentir Tabu no ar. E sabia que tem linha completa??? :D

      Excluir
  4. Dênis, te dei uma amostra do vintage, faz resenha dele!

    ResponderExcluir
  5. hahaha ri muito Pri :D

    Sabe ja trabalhei (pouco tempo) em uma farmácia (nao de rodoviaria) mas bem...(com o perdão da palavra) de "povo" e Tabu juntamente com Tabu Segregos (sim existem "flankers" de tabu hahaha) vende tanto quanto sabonete dove em promoção para senhoras festeiras e fogosas (leia-se alcinha vermelha do sutiã aparente, dedos adornados com bijuterias de gosto duvidoso e claro o batom vermelho) que levam o termo "rendez-vous" como uma "filosofia de vida" (juro por Deus!) para essa fase dita "melhor idade" .

    Se existe "beleza" (algo tão relativo ne) em Tabu ainda não vi. (minha mente segue em choque pelas alcinhas vermelhas) mas como objeto de estudo ... é talvez ;D

    ps: desculpa mas acho que nem nicho hypado dava um jeito nele (ou nao, vai saber hahaha)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Flanker do Tabu é a gourmetização da cafonice! hahaha Fora que tem toda a linha né? Talco, desodorante... Tudo para garantir que as alcinhas vermelhas fiquem bem perfumadas e convidativas!
      Acho que a beleza dele é bem essa: ser estranho, assustador!

      E permaneço na aposta: bota num frasquinho Jo Malone, que o Tabu seria agraciado como um "tabaco ousado e animálico"!

      Excluir
  6. Pri, adorei o post!
    "...vai da pura expectativa ao total desespero, das flores murchando ao lado da porta, do jantar temperado esfriando na mesa, e do cinzeiro amontoado de restos de cigarros amassados sobre cinzas ainda fumegantes - e do amor que não vem. "
    Poético e muito bem conduzido.
    Tabu é um tabu mesmo, mas entendo, como você mesma disse, que se trata de uma obra que merece nosso respeito. Tenho-o guardadinho, junto à minha coleção Avon: Toque de Amor, Charisma e Topaze, os quais adoro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cris... eu achei que não vendesse mais essas joinhas Avon, mas não é que vende??? Achei naquelas embalagens que me lembram uma licoreira de cristal bico-de-jaca! Lógico que vão para o acervo né?
      Beijos

      Excluir
  7. Rafael, que preconceito é esse? Nem todas são chiques e elegantes segundo os moldes da boa sociedade. Pois bem, sou bem nascida, minha família graças a Deus sempre pode ter tudo, mas minha mãe, por preconceito, não me deixou usar Tabu na adolescência. Agora, coroa, uso e abuso, mesmo não o achando tão forte como diziam. Não aparento a idade que tenho, não mostro alça de sutiâ pois é uma peça que raramente uso e não fiz plástica. Se é um perfume para a terceira idade, sorte dos que chegarem lá. Quanto ao batom vermelho, sempre usei, para descontar o tempo em que não usava batom porque meu pai dizia que eu tinha boca grande. Além do mais eu acho as mulheres bregas, ou do povo, lindas, com seu jeito despachado e sua forma barroca de se vestir. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Ilka, obrigada pela visita! Tão boa a liberdade de fazer o que quiser... Acredita que só fui comprar meu primeiro batom vermelho no ano passado? Ficava numa neura por ter a boca pequena e ser muito branca, parecendo boneca de louça (vê se pode?). Usar Tabu pode ser libertador, como disse "Seu preço e popularidade tiraram seu prestígio, mas nada tira seu impacto". É um perfume clássico, cheio de mistérios e lembranças envolvidas.
      Um grande beijo Ilka, volte sempre!

      Excluir
  8. Adorei o artigo. Aqui em Cabo Frio estou tendo dificuldade de encontrar o Tabu...vou tentar pela internet..RS..abss

    ResponderExcluir