domingo, 28 de junho de 2015

I really need you tonight - Tabu de Dana - Resenha

Minha história começa em uma farmácia de rodoviária, porque pra ser bem cafona a coisa tem que começar assim, com uma ironia triste de despedida e um quê inusitado. Não consegui achar voo a tempo, e lá fui encarar um ônibus - porque um compromisso importantíssimo não poderia esperar. Estava super contrariada, muito mesmo.
Precisava passar o tempo, e rodoviárias são locais não muito agradáveis, são mais para hostis por assim dizer, e lembrei que para não sofrer com as náuseas e garantir que a viagem logo passaria, comprei um antiemético do tipo "mata leão". Fui na farmácia, e eis que na pequena vitrine ao lado vejo a maior vedete das penteadeiras modestas desse Brasilzão, em uma caixinha judiada ao lado de uma brilhantina (sim, brilhantina!) e de um talco Alma de Flores, uma resplandescente deocolônia Tabu. Sua caixa é quase um engodo, inocentes flores róseas. O frasco tem até um certo charme. Guardei com todo cuidado do mundo, porque se aquela bomba derramasse dentro da bolsa, teria que jogar fora a bolsa e provavelmente continuar minha viagem dependendo de carona na beira da estrada. Muito possivelmente.
Chegando ao destino fui provar, com toda cautela que Tabu - ainda que na diluidíssima versão deocolônia - exige. Às gotas, com a ponta dos dedos, umedeci o pulso. E esperei.
Como esperavam-se os telefonemas antes da era WhatsApp, Tabu evolui, vai da pura expectativa ao total desespero, das flores murchando ao lado da porta, do jantar temperado esfriando na mesa, e do cinzeiro amontoado de restos de cigarros amassados sobre cinzas ainda fumegantes - e do amor que não vem. 
Sinto um cítrico pungente de início, com narcisos, que o tornam agressivo: pancada mesmo! Ylang-ylang animálico e devorador (imagino como deveria ser a versão EDP vintage, que além desse ylang-ylang ainda tinha civeta natural - escandaloso e selvagem ao extremo), no coração um ar enfumaçado que beira o sufocante, fumaça de tabaco com algo incensado - talvez o benjoim potencialize isso tudo. As notas de fundo são um tanto conflitivas, não dá para saber o que é o quê, algo amadeirado com toques de mel. 
Tabu tem o nome mais exato que se poderia imaginar - tanto para a época quando foi lançado quanto agora. A proposta inicial, no começo de um século XX que fica cada vez mais longe, era para ser um perfume erótico, "aroma de alcova" como já mencionei aqui. Ganhou aquela fama que se espalhou à boca pequena: "é perfume de rendez-vous" - tanto que atualmente custa R$ 10,00 em farmácias de rodoviária. E isso que tirou seu encanto. É possível encontrar o Tabu e toda sua fórmula animálica no ponto de ônibus, no baile da terceira idade, na fila da padaria. (A Coty teve que rebolar para contornar algo semelhante que esteve próximo de acontecer e arruinar toda uma marca! Olha aí o mote da exclusividade tão vital à perfumaria)

Imagem: http://www.tabucosmeticos.com.br/nav/produtos/produtos_detalhes.asp?UID=29

Mas Tabu de maneira alguma pode ser considerado um perfume ruim. Para quem gosta do assunto, é uma ótima fonte de estudo, porque tem uma combinação de notas muito complexa. Talvez ele desperte memórias olfativas pavorosas em alguns - sabe aquele parente que não economizava na dose desta bomba? - mas não se pode tirar seu mérito e sua construção. Posso até apostar que se uma marca de nicho lançasse a mesmíssima fórmula em um frasco hypado e com o marketing certo, olha... sei não, viu?
Seu preço e popularidade tiraram seu prestígio, mas nada tira seu impacto. 
Perfume para chorar ouvindo Bonnie Tyler, fazendo pose no espelho - assumidamente cafona, dramático e passional. Uma catarse!


segunda-feira, 15 de junho de 2015

Uma flor de outro mundo - Alien EDP de Thierry Mugler - Resenha

Ano de 2154, a Dra. Grace* cataloga mais um espécime da flora de Pandora, uma flor de aroma pungente, inebriante, capaz de conquistar toda a Terra com seu poder. Imaginemos agora que Thierry Mugler contrabandeou esta flor intrigante, disfarçada de jasmim sambac, e trouxe às escondidas para nosso planeta, transformando-o em perfume.
As referências ao milionário filme Avatar têm sua vez na imaginação de um alienígena ligado à natureza e à vida, e não a uma gélida nave prateada, uma flor intensa como nunca antes se sentiu. Como nas outras criações TM, tais quais Angel e Womanity, Alien não tem medo do risco, de fugir à regra de uma tendência. Angel revolucionou o mundo açucarado, Womanity trouxe sal e sujeira ao mundo frutal, e Alien se aventura em um floral uníssono, que aproveita a própria doçura da flor para ser atraente.

 Imagem: www.muglerusa.com

Alien tem um quê viscoso, o néctar do jasmim entre o pedúnculo e a flor, que gruda nos dedos - levemente doce, mas profundo e fértil, pois esta é a intenção da flor à planta, fertilização, atração de insetos que levem seu pólen à maior distância possível.
É assim que essa criação de Mugler funciona, atrai pela sua beleza autêntica, o adocicado de sua própria estrutura, que não precisa pegar açúcar emprestado. É mágico, diferente de qualquer outra leitura floral.
Duração e projeção: uma única borrifada - leve - no antebraço, e, 11 horas depois me perguntaram "Que perfume bom é esse que alguém está usando?" Deu pra ter uma ideia?

 Imagem: www.muglerusa.com

* Personagem da musa da ficção científica, Sigourney Weaver em Avatar.



Este post contém link do parceiro Glio (www.glio.com)

segunda-feira, 1 de junho de 2015

It's up to you!!! - 5th Avenue EDP Elizabeth Arden - Resenha

A Lily mencionou esse lindo há alguns dias, e fiquei com cisma para resenhar: como esqueço essa beleza na estante? Mas dessa vez, tem trilha sonora... Coloque seu fraque e cartola, passa um gel no cabelo, capricha nos sapatos de verniz e vem dançar ao estilo Frankie! Solta o som MyBoy:



Start spreading the news...
Espalhe a boa notícia com lilases em profusão, e a mais americana de todas as magnólias - que apesar de símbolo sulista, enfeitam as banquinhas de flores da Big Apple. É a primeira mensagem do 5th Avenue: feminino como uma típica tarde de 'gossip'n shop'! 

I want to be a part of it...
Eu quero, eu quero... então tem cítrico e beleza... tem fruta saborosa! Pêssego em compota de calda grossa, temperada de noz-moscada e cravo (da índia, nada de cravo em flor) como só Beth sabe fazer - lembra do Provocative Woman? Isso mesmo!

I want to wake up in the city that never sleeps...
E se você quiser, atravessa o dia com ele e vai até a noite - 5th Avenue nunca para! Tem fixação da boa, porque lá no fundinho tem uma baunilha morna e aconchegante, com uma tintura azedinha - será que são os trevos que constam da fórmula original? Portanto, 7 horas de alegria - quase o expediente inteiro! Projeção bem rente à pele, para que não perca sua qualidade de office scent para aquelas que nunca param... 

If I can make it there, I'll make it anywhere
E vai fazer sim, em qualquer lugar! É fino, bem educado, limpo e assabonetado como só o "north american way" trabalha o almíscar, de cheirinho de roupa recém saída da lavanderia, espuma de banho refinada. Portanto, vai para o trabalho, para a festa, para o happy hour, para o chá de bebê da amiga - sempre rendendo elogios e muita classe - se joga!

Imagem: www.elizabetharden.com

Frasco lindo, elegante. Preço digno - Beth, você consegue me deixar feliz! Não fico sem. Tô na 'querência' de um 5th Avenue NYC - Uma edição limitada mais carregada no pêssego e na baunilha! Mas esse floral classiquinho anos 90 é lindo de viver: limpinho e chic! Se para Donna Karan Nova York são várias interpretações de maçã, para Elizabeth Arden Nova York é muita flor e muito pêssego - e funciona.

It's up to you, New York, New York!!! 


Este post contém link do parceiro Glio (www.glio.com)