quarta-feira, 27 de maio de 2015

Três Irmãos e Três Vícios - Resenha Tripla Dior Addict 2014 Edition

Já leu os irmãos Karamazov, de Dostoiévski? Não? Dormiu na primeira página? Entendo... Leitura pesadona, como só a literatura russa sabe ser. Caso não se importe com spoilers lá vai: São três irmãos - Dmitri , irmão somente por parte de pai, Ivan e Aliéksiei, em conflitos, disputas de família e uma tristeza que não tem fim. Mas fica por aqui. Já dos três irmãos Dior, o que posso adiantar é que a linha Addict - que também é linha de maquiagem e beleza - foi completamente reescrita nas propostas de 2014. São três as fragrâncias: Dior Addict Eau de Parfum, Dior Addict Eau de Toilette e Dior Addict Eau Fraiche, que são absolutamente diferentes, distintas, e, assim como os Karamazov, esses irmãos de parecido só têm o sobrenome.

Dior Addict Eau de Parfum
Ele seria o Dmitri, sangue quente... Addict EDP nesta edição de 2014 desagradou muita gente, porque não guardou muita similitude com o Addict EDP de 2002 - cuja legião de fãs é enorme - assim como Dmitri, ele renega seu velho pai, mas ainda conserva algo do genótipo inevitável. Tem canela? Tem! Assim como mandarina, baunilha e jasmim. Mas o que falta para ser igual ao DA EDP 2002? Falta rosa e fava tonka, que deixavam-no mais sensual e encorpado. Na edição 2014 Addict EDP é levemente salgado, em uma cremosidade algo granulosa - a mesma sensação agridoce do caramelo com flor de sal. 

Dior Addict Eau de Toilette
O Ivan do trio Karamazov, o Eau de Toilette é puro, floral, linear. Falei dele rapidamente aqui. Há quem diga que é um flanker do J'Adore que Dior "escorregou" para a linha Addict - realmente a leitura do jasmim é a mesma. Mas aqui não tem aquela cremosidade untuosa das flores brancas do J'Adore, ele tem um cítrico mais aberto e sândalo no corpo, que o tornam mais prático e usável que o tio dourado.



Dior Addict Eau Fraiche
O caçula que virou monge, Aliéksiei, Eau Fraiche é fresco como neve derretendo na primavera, o que o faz um curinga maravilha para o calor. Frésia, frésia e mais frésia. Tangerina miúda e verde, que ainda está no pé esperando amadurecer. Almíscar cristalino. Fórmula que não dá errado, não dá vexame e não dá enxaqueca. Um ventilador voltado para o pescoço, balançando cabelo... e por óbvio, nessa construção leve e vaporosa a duração é um tanto efêmera, mas nada que o desabone. Poderia jurar que tem algo de maçã verde, ainda que leve, em no seu sabor crocante e adstringente.


Cada um na sua linha, esses irmãos são uma proposta certeira da Dior para "rejuvenescer" a marca na perfumaria - além do Miss Dior - e consolidar a fidelidade de um público que facilmente se assustaria com um Diorella.




5 comentários:

  1. Nossa mas esse blog é de uma "sabença" e requinte realmente dignos de Dior ! :D

    confesso que nao conheço os irmão Karamazov (mas ri de mim mesmo por lembrar que conheço os 3 irmãos sobrinhos da pato donald hahahah - chorai ¬¬)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui tem de tudo Rafael, de Britney Spears a Dostoiévski. Se quiser, Huguinho, Zezinho e Luizinho entram na parada também!
      Tô estudando um 'cafoninha' que quando sair resenha, vai render risadas... O importante é ser democrático.
      Beijos!

      Excluir
  2. Suas resenhas são as melhores de todas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paloma, muito, mas muito obrigada mesmo por este comentário tão gentil... Isso é o que anima a continuar escrevendo essas resenhas, apaixonadas! Beijos

      Excluir