Livros e Perfumes – Amor em dose dupla – Mesa Redonda de Abril




“Os livros são objetos transcendentes, nós podemos amá-los o amor táctil”, segundo Caetano Veloso. Amo livros, demais, de Guimarães Rosa a Dostoiévski, de João Ubaldo Ribeiro a Ken Follett. Atualmente estou mais nos livros acadêmicos do que literários, mas isso é só questão de tempo, logo volto às minhas viagens a cenários longínquos, ainda que da poltrona da sala. Perfumes me provocam essa mesma sensação: viagens sem sair do lugar, divagações e impressões. São formas de expressão e de arte.
Como adoro a associação entre perfumes e pessoas, seguem alguns perfumes e algumas personagens do mundo da literatura, que têm a mesma 'linguagem' e me trazem os mesmos sentimentos.


A Personagem: Diadorim (Grande Sertão Veredas – Guimarães Rosa)
O moço quieto e ressabiado, em cujos olhos "o verde mudava sempre, como a água de todos os rios em seus lugares ensombrados. Aquele verde, arenoso, mas tão moço, tinha muita velhice, muita velhice, querendo me contar coisas que a ideia da gente não dá para se entender". A paixão dúbia que desperta no companheiro Riobaldo, seus silêncios, reticências e ciúmes. Sentimento árido e espinhoso como o sertão: “Amor é a gente querendo achar o que é da gente”.

 Eternizada por Bruna Lombardi, a personagem Diadorim. (Imagem: globo.com)

O Perfume: Duel, de Annick Goutal
O próprio nome “duelo” já diz tudo: um embate, entre masculino e feminino, entre mate verde e raízes secas. É áspero, de início, mas sob tantas camadas de couro existe uma delicadeza oculta, e quem a encontra fica maravilhado. Diadorim morre em um duelo, em uma luta corporal digna de sua valentia, é ali que Riobaldo descobriria que sempre teve por companhia, em verdade, Deodorina.
Imagem: www.annickgoutal.com


A Personagem: Capitu (Dom Casmurro – Machado de Assis)
Ah, as heroínas machadianas, seus melindres e caprichos que atormentam aqueles homens que lhes são devotos, e que ao mesmo tempo as odeiam. Capitu e seus “olhos de ressaca, de cigana oblíqua e dissimulada”, a eterna dúvida e distância, criatura mui particular, mais mulher do que Bentinho era homem.
Na juventude, suas mãos “a despeito de alguns ofícios rudes, eram curadas com amor; não cheirava a sabões finos nem águas de toucador, mas com água do poço e sabão comum trazia-as sem mácula”, Qual o perfume de Capitu? A Natura fez uma apimentada homenagem, chamada “Encantos de Capitu”, mas achei adocicada demais, não combinando com seu espírito ousado. 




Capitu, representada por uma impecável Maria Fernanda Cândido (Imagem: globo.com)

O Perfume: Água de Neroli, da Phebo
Por qual razão? Porque a saída cítrica me remete ao quintal verdíssimo dos encontros juvenis de Capitu e Bentinho, que, aos poucos e para quem chega perto, vai se tornando assabonetada, como o sabão que lavava suas mãos. É acessível, porque as origens de Capitu não a permitiriam comprar finos artigos de toucador... E é um sucesso originalmente brasileiro, como Dom Casmurro.

Imagem: www.phebo.com.br


A Personagem: Doutor Jivago (Doutor Jivago – Boris Pasternak)
Não, não vou falar de Lara... Vou falar do próprio médico idealista, que ao final percebe que a sociedade tem tantas mazelas que não vale a pena o convívio, preferindo o exílio. Eternizado no cinema por Omar Sharif, Jivago exercia seu ofício com dedicação, atendendo até os mais pobres, ainda que em noites congelantes. Com um aspecto psicológico interessantíssimo, a abnegação de Yuri Jivago à Tonya, e ao mesmo tempo sua paixão e devoção à Lara, rendem trechos intensos como: tenho ciúmes dos objectos da tua toilette, das gotas de suor na tua pele.





 Omar Sharif, e seu Doutor Jivago (Imagem: theredlist.com)


O Perfume: Dior Homme Parfum
Nada aparecido, mas de alta classe como o doutor. A nota de couro representa sua maleta de profissão, a íris sua origem nobre. É requintado e constante, como o dedicado médico Jivago.

Imagem: www.dior.com/beauty


Outros blogs participantes da Mesa Redonda de Abril:
Floral e Amadeirado (Luciana Marques)
A Louca dos Perfumes (Diana Alcântara)
Odorata (Cris Bazoni)
Parfums et Poesie (Lily Loon)


Comentários

  1. Que bonito, visitar assim personagens de nossa literatura, tão pouco lembrada (tirando época de vestibular...). Deu vontade de reler Machado, Alencar;;;

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adoro fazer a associação de perfumes a pessoas, personagens, imaginar o que cada um usaria. Capitu é patrimônio nacional, acredito que Dom Casmurro é uma obra prima! Pena que a garotada de colegial conhece a literatura "goela abaixo", e depois rola uma antipatia coletiva às obras clássicas de autores brasileiros.
      Tanto Dom Casmurro quanto Grande Sertão Veredas (leitura densa e dificílima para meus tenros 16 aninhos!) me tocaram muito!
      Beijos Diana!!!

      Excluir
  2. Ahhh Capitu com Neroli brasileiro <3 E o Duel caiu perfeitamente! Não conheço Doutor Jivago (ainda), entrou pra lista pq se é perfumado por Dior Homme, é bom demais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale muito a leitura de Pasternak, e o filme também ficou super bem feito, captou bem a essência do ambiente e das personagens.
      Pede um clima intimista a la Dior Homme Parfum, mais 'escuro', denso, beirando o melancólico - e lindo demais!
      Beijos Luciana!!!

      Excluir
  3. eu ADOREI a sua escolha de personagens! (tá nao conheço o ultimo mas ja estou correndo atras hahaha)

    Acho que nao tem uma pessoa nesse mundo que realmente tenha LIDO Grande Sertão Veredas e que nao foi minimamente aluído.

    e Capitu?! ... ah Capitu ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há uns dois meses eu cortei meu cabelo curtinho, joãozinho mesmo, e minha amiga ficou me chamando de "Diadorim"... Isso foi o pretexto para resgatar meu "Grande Sertão" da estante, edição linda de 1961 garimpada em um sebo, do tempo que "agôsto" ainda tinha acento. Leitura densa, demorada, mas que vale demais a pena.
      Doutor Jivago é nesta linha, dramático, pesadão - não é livrinho Rivotril, cuidado! Mas é apaixonante. Se Grande Sertão Veredas é um livro sépia, Doutor Jivago é acinzentado.

      Excluir
    2. nossa agôsto tinha acento !!!
      se bem que ainda me pego as vezes escrevendo " pára, asteróide, e lêem ...

      "livrinho rivotril" ... I GOT IT :D

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Amor nos tempos de Crise - Pur Blanca da AVON - Resenha

Perfumes “Tester” ou “Demonstration”

Império dos Sentidos - Natura Una Senses Deo Parfum - Resenha