sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Pura Frescura - Double Fraicheur de Molinard - Resenha

Esse perfume é minha paixão... coisa linda, cristalino e gelado como água de cachoeira. Já falei dele em outro post, mas não resisti a uma resenha própria para esse fresco-fresquíssimo, porque no verão é a melhor pedida. Deve ser a minha proximidade com tanta natureza, mato, floresta e as mais lindas cachoeiras do mundo, as maravilhosas Cataratas do Iguaçu.
Quem conhece esse lugar fora de série sabe do que estou dizendo, a energia gigantesca que tem lá, a vontade inexplicável de abrir os braços e ficar sentindo a névoa úmida que forma inúmeros arcos-íris*, o barulho ensurdecedor da água... árvores, muitas árvores em volta, e aquele cheiro de terra molhada, do musgo da margem. Sorry, Niagara Falls, sou mais as 'minhas' Cataratas! (E só aqui tem quatis fofos que dá vontade de levar para casa!)
Imagem: www.travel-southamerica.com


Pois essa névoa de cachoeira foi devidamente captada pela casa Molinard, e engarrafada no Double Fraicheur. De início, bergamota - não tangerina, nem ponkan, nem murgot, nada alaranjado ou maduro - mas sim aquela frutinha que conhecemos como mexerica, de casca bem fina, que espirra seu líquido e exala de longe, super verde e azeda. É desse cítrico que estou falando.
Segue um maço de ervas, vetiver, capim e taboa. A taboa não aparece na pirâmide olfativa, mas tem algo dessa planta de charco, no mesmo estilo de 'Un Jardin sur le Nil' da Hermès, aquele vaporzinho do rio quando está amanhecendo. Simplesmente sublime. 
E, por fim, um patchouli terroso, bem natural, quase assexuado, mas muito bem feito, até porque a intenção do Double Fraicheur é ser uma fragrância compartilhável. Cheiro de raiz de planta recém colhida, um patchouli digno dos banhos-de-cheiro. 
É um refrescante cheio de personalidade, nada 'songa-monga', que é feito para ser sentido, percebido e apreciado. É a minha segunda pele no verão!
Fixação boa, para uma proposta refrescante (6 horas, em média) e projeção moderada. 

 Imagem: http://www.molinard.com/en/familles/the-freshness.48.html

* Ainda que ache super estranho, esse é o plural de arco-íris...

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Mesa Redonda - O Aroma da Realeza: príncipes, princesas e perfumes

O tema da mesa deste mês foi de minha escolha, e entre as três opções que apresentei, essa foi a vencedora. Estou muito feliz com o resultado, porque mais uma vez vou conseguir mesclar história e perfumes, o que me deixa duplamente apaixonada!
Escolhi cinco rainhas, que me fascinam quando folheio os livros e pesquiso sua trajetória, pois foram polêmicas, apaixonantes e diferentes de um ideal de obediência. Tento imaginar o aroma de seus aposentos, de suas vestimentas, o rastro de nobreza que deixavam pelos palácios... Assim, associei um perfume atual para cada uma dessas princesas e rainhas que fizeram história, já que não conseguimos saber ao certo o que estava na penteadeira de cada uma delas.

Valéria Messalina (Imperatriz de Roma - +/-18d.C./38 d.C)


Messalina era toda devassidão e luxúria, e não era segredo para ninguém que ela aprontava todas pelas ruas escuras de Roma sob a alcunha de “Loba”. Casada com o Imperador Claudio, idoso, manco, cego de um olho e que babava, a jovem e linda Messalina, entediadíssima, começou a aprontar. No início era só por farra, mas a coisa saiu de controle, e com o passar do tempo suas estripulias ganharam proporções perigosas – o que lhe custou a vida. Que perfume será que Messalina escolheria para suas noitadas de farra? Não consigo pensar em outra coisa senão o Dana Tabu, com toda sua proposta sexual, animálica (ainda que sintetizada na atualidade), e a pretensão de ser um “aroma de alcova”.




Teodora de Constantinopla (Imperatriz de Bizâncio - Império Romano do Oriente - 500/549)


Por este mundo já passaram muitas imperatrizes, rainhas consortes e primeiras-damas, mas existiu Teodora, e nunca haverá outra como ela. Ela fez de tudo para ser imperatriz: TUDO. Ela fez mudar as leis bizantinas para que atrizes (meretrizes?) pudessem casar com imperadores, ela pôs fim em uma revolta sangrenta que seu marido Justiniano não conseguiu controlar sozinho, ela foi de pobre miserável à santa venerada pela Igreja Ortodoxa. Ela é a minha aula de história favorita, por ser uma personalidade intrigante, cheia de nuances: ora doce, ora maligna, mas sempre muito determinada. Pelo nome, pelo contexto e pela personalidade Teodora adoraria o Rochas Byzance, a obra-prima da perfumaria, carregado de nobreza e complexidade, para quem faz questão de não passar despercebida. 




Catarina, a Grande (Czarina da Rússia - 1729/1796)


A czarina de todas as Rússias, polonesa de nascimento, tinha muito mais tino para o governo que seu marido Pedro. Representante maior do movimento conhecido como “Despotismo Esclarecido”, Catarina era amiga de correspondência de Voltaire, e entusiasta do Enciclopedismo. Também era conhecida por seus inúmeros amantes, que seguidamente recebiam presentes para lá de generosos (propriedades, servos, pensões, títulos). Alta, de grande presença, diz-se que ela mesma desenhou algumas de suas joias, e era fã da arte da montaria. Catarina tinha tudo a ver com o opulento e marcante Paloma Picasso: forte e decidido, que de cara já dá o seu recado. 


 
  
Maria Antonieta (Rainha de França e Navarra - 1755/1793)



A dauphine austríaca da França, que viveu cercada de todos os luxos e cerimônias de Versailles, angariou a raiva da população por gastar tanto com seus inúmeros vestidos de tafetás e brocados, finos confeitos, festas, perfumes e vaidades. Tédio? Talvez. Mas o deslumbramento pelo choque entre a sua origem – uma corte austera, organizada de perto por uma mãe severa - e o fausto do Palácio do Rei Sol, (além das loucurinhas de Paris!) certamente contribuíram com o comportamento extravagante dessa controversa rainha. Embora Marie Antoinette tivesse um perfumista à disposição (Jean-Louis Fargeon), ela com certeza se apaixonaria pelo Quel Amour, de Annick Goutal, docemente frívolo e encantador... como ela!





Princesa Isabel (Princesa Imperial do Brasil - 1846/1921)



Preparada a vida toda para ser a rainha que nunca foi. Culta, inteligente e bem educada, a mais querida princesa brasileira tinha ideais liberais, e já se preocupava com a questão da escravidão desde jovem, tanto que a Lei do Ventre livre teve sua influência, e a Lei Áurea foi assinada em sua regência. Chamada de “Princesa das Camélias”, uma vez que esta flor, na cor branca, era o símbolo da luta abolicionista, Isabel adorava a camélia em estampas, joias e broches. Partindo do aroma da camélia, lembro do Lanvin Arpège – que depois do choque do aldeído traz toneladas de camélias e flores brancas, e acho que 'casaria' bem com a Princesa Isabel: Nobre, impetuoso, ainda que incompreendido...
 
 Outros devaneios perfumados você também vai encontrar nesses blogs aqui:

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Pé na Porta! - Red Door de Elizabeth Arden - Resenha

Beth, senta aqui e vamos bater um papinho: você é esperta para chuchu! Para quem quer uma aguinha gostosa para o verão? Green Tea e todas as suas variações! Para quem quer um curinga dia-a-dia? Provocative Woman, True Love, Sunflowers. Mas para quem quer 'chegar chegando', tem uma obra-prima oitentista: Red Door.
Elizabeth Arden lançou as fragrâncias associadas a seu spa com um trunfo: fixação garantida por 24 horas. Mas com Red Door isso não acontece... A duração é de umas 48 horas!!!
Um bouquet floral intenso, mergulhado em calda de ameixas: orquídea phalaenopsis, frésia e rosa branca - em toneladas! Mas, e o segredo para a duração gigantesca? Mel, sândalo e benjoim, uma base poderosa, que 'amarra' toda essa orquestra.
Se quer fazer  linha discreta, pense em outra opção... Red Door é vestido de gala, transforma qualquer jeans em um black tie. É perfume-mulherão, para quem sabe o que quer, e sabe a que veio. Não faz a linha garotinha maliciosa, que faz joguinhos de sedução, esse perfumão é para quem chega arrastando o boy pelo colarinho. 
É digno de assinatura olfativa, de usar para a vida toda - merece aplausos em pé!
Nem preciso repetir: fixação e projeção expressivas, por horas e horas, mantendo a qualidade do início ao fim do dia, independentemente de pH.


Imagens: http://www.elizabetharden.com/red-door/html

A primeira imagem, é a atual embalagem, com frasco redesenhado. Na segunda imagem, o primeiro design do frasco, com a linda Catherine Zeta-Jones (garota propaganda favorita EA), personificando o espírito Red Door.

Resenha dedicada à Carol, que adora luxo e glamour, e seu Red Door que alegra meu dia!

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

It's Britney, bitch!!! - Fantasy de Britney Spears - Resenha

Como eu sempre digo: "Ah, a polêmica Britoca..." 

Sagitariana como eu (ela do dia 2/12 e eu do dia 5/12 - amanhã!), Britney é a personificação de uma geração - não que sejamos parecidas, sou muito mais 'boring' que a princesa do pop!
Já foi adolescente sapeca, bombshell, mãe de família... lascou um beijaço na Madonna, raspou o cabelo, foi ao fundo do poço e deu a volta por cima. Ou seja: ela causa! Além do mais, tem um timing comercial fora de série, e é aí que entra o Fantasy: um sucesso de vendas que merece estudos acadêmicos e mercadológicos.
É impossível andar na rua, seja em janeiro a 40ºC ou em junho a 0ºC - e não esbarrar com alguém usando o dito cujo. Ele traduz a geração Y com maestria: birra, manha, quero porque quero, olhem para mim, manhêêê traz um Toddy?, carência, doçura e uma vontade enorme de ser teenager para sempre... Responsabilidades? Ah, me deixe, hoje eu só quero devorar um cupcake com baunilha, me lambuzar e ser feliz! 
O chefe passou uma bronca? Nada que uma enorme barra de chocolate branco não resolva!
Imagem: store.britneyspears.com

A construção traz todos os aromas queridos e confortáveis: marmelada, bolinho assando, chocolate branco, frutinhas azedinhas...  Isso explica um carinho enorme, uma legião de fãs ávidos, dezenas de edições limitadas e vários flankers. Fantasy funciona, vira assinatura. Como professora universitária que sou, afirmo que, pelo menos uma aluna de cada classe 'veste' Fantasy nas minhas aulas - repito, de janeiro a janeiro!
Como não sou fã absoluta, mas também não renego este ícone, tenho uma versão simpática/baratinha, uma edição que vem numa bolinha estilo Pokemon que encaixa um Fantasy e um Midnight Fantasy de 15ml cada - o suficiente para me lembrar deles de vez em quando. Mais que isso precisaria de insulina!
 Imagem: www.totalmegastore.com.br (só achei essa imagem!)

O que tem de gente que fala mal desse perfuminho... não dá para contar! ("Cheiro de piriguete", "Carne de vaca", "Coisa de pobre") mas ao mesmo tempo o sucesso de vendas é tanto, que todos os argumentos vão por água abaixo - haters gonna hate! 
Fixação gigantesca, projeção sem comentários: por vááários metros! O EDT não tenho maiores informações, reza a lenda que a versão comercializada no Brasil foi suavizada - o que não sei se procede. O EDP é bombástico!

It's Britney, bitch! Vida longa à Britoca!!! 



Este post contém link do parceiro Glio (www.glio.com)

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

É bonita, é bonita, e é bonita!!! - La vie est belle de Lancôme - Resenha

Se a tendência olfativa atual é gourmand, sejamos gourmands com classe! Que seja a fina gulodice de confeitarias e chás das cinco, de biscoitos amendoados/amanteigados e pequenas tortas para apreciar com os cinco sentidos... La vie est belle captou um desejo coletivo, e a Lancôme realmente merece os louros: tem tudo para ser ícone!
Uma vida bela tem doçura, cremosidade, e um 'tiquinho' de amargor, afinal, quem nunca enfrentou uma má surpresa?
Abre efervescente e ardido, em frutas vermelhas (seria blueberry?) seguindo um caminho floral untuoso de flor de laranjeira, magnólia e jasmim. Mas acredito que são as notas de fundo que cativam tanto: um amendoado especialíssimo, adocicado e quente, com calda de chocolate... aquele cheiro maravilhoso que a gente sente quando passa na frente da barraquinha de castanhas pralinê. A baunilha entra em cena, mas não é tão perceptível, ela é uma das notas dessa sinfonia caramelada/amendoada. Tem algo do YSL Cinema no La vie est belle, o mesmo coração cálido e adocicado.
Mas, aí vem a parte interessante: volta e meia 'flashes' florais e frutais aparecem em meio ao drydown doce, prolongando a sensação instigante de novidade. É festivo, não linear e espirituoso.
Imagem: www.lancome.com.br

Se vai virar lenda? Já virou! Até porque o marketing foi preciso: "livre-se das amarras da sociedade" (mas uma sociedade que você faz de tudo para pertencer: refinada, elegante, que frequenta belos bailes e veste alta-costura). Julia Roberts empresta seu sorrisão (ão, muito ão) para essa campanha digna de blockbuster...
Outro ponto certeiro é a preocupação com a longevidade e projeção, 8 horas de vida bela, linda, maravilhosa e doooooce, muito doce! É curioso ver como as pessoas buscam perfumes que 'durem' bastante, mesmo sob um calor absurdo de 38°C, e a combinação do La vie est belle manda muito bem em durabilidade. Acredito que estará em muitos dos embrulhos do Natal de 2014!



Lógico, já entrou na fila dos copiados, replicados e plagiados... O que está pipocando de gourmands nessa proposta 'fina-rica-adulta' não é brincadeira!


segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Porque sim! - Sì de Giorgio Armani - Resenha

Sabe mulher teimosa? Daquelas que chamam o gerente na loja, pedem para o garçom remontar o prato ou para o cabeleireiro refazer todo o penteado? O Sì de Giorgio Armani foi feito sob medida! Rá!
Tem um dulçor agressivo, de licor de cassis e maracujá maduro (ainda que não apareça na pirâmide olfativa), e, curiosamente mantém essas notas de saída por um tempo prolongado. As notas de fundo seguem essa tendência da segunda década do século XXI: madeiras quentes e toneladas de baunilha. Praticamente uma sobremesa de restaurante da moda, para tirar foto e postar no Instagram... 
Não me agradou de cara (e coração), até porque esse nome tão assertivo poderia trazer algo mais inovador, mais "sim senhora"... Mas é uma opção para noites de diversão, quando um gourmand guloso-aparecido é bem vindo, e até mesmo esperado. Se você é uma formigona com delírios de riqueza e grandeza, se joga no Sì!
Duração e projeção expressivas (8 horas, em pele seca e pH baixo).
Imagem: http://www.giorgioarmanibeauty-usa.com/Si-Eau-De-Parfum

PS - Achei que Cate (Galadriel) Blanchet não combina com a propaganda do Sì - mas admito que ficou de extremo bom gosto!